Vera Lyn Poeta

A arte é Divina, é a salvação. A arte nos poe mais perto de Deus. v.l.p

quarta-feira, novembro 20, 2013

Hoje, olhei para a vida lá fora; fora de mim, e não conseguir ver nada. Não senti nada.
Nem amor, nem saudade, nem ódio, nenhuma emoção ou vontade.



segunda-feira, novembro 18, 2013





Pessoas que julgam outras pessoas, estão sem méritos. Estão vazias e comprometidas com suas reais faces. Assim que julgam, edificam-se alimentando leigas, suas próprias fraquezas.
Para esse comportamento, existe a misericórdia do Criador. Que, existindo um afrouxamento à estrada do amor, os julgadores poderão recolherem-se em si. Poderão acolherem internos, o real sentido em vivenciarem progressivos, à vida.



O começo de tudo, está na coragem de encarar os julgamentos depressivos, depressantes abusivos pela congênita falta de conhecimentos;  sentimentos, enfim.


Seguirei, transformando dores em flores....pela estrada do meu silêncio.

Vera Lyn Poeta


Não adormeça diante das negativas. Não se recolha à braba depressão.
Não considere atitudes maléficas; elas se contradizem por si mesmas.
Existe sim, um lonnnnngo caminho...até a realização pessoal e intransferível...Osso!

Manter-se irredutível, junto à prerrogativa. Não facilitar nada.
Ser forte, diante do necessário à sua própria vida, e.....sem perder a ternura nunca.


Quanto mais atento-me profunda ao ser humano, mais reforço meu castelo de sonhos. Dou muito mais valor valor a minha vivencia; escolhas em estilo de vida!

Toda solidão que vem assolando as pessoas no mundo, deixa claro suas terceiras intenções. Se quando esperamos amor, porque queremos dar amor, ganhamos pesadas cruz  a carregar pelos cansados ombros.
Lucidez......:  Enxergar a vida com o coração é dolorido, porém traz em reação, a proteção precisa.
Que morra todas as expectativas, e com ela, a frustrante decepção.

Minha melhor casa, está dentro de mim. Habito meu coração, onde minh'alma reside.
Nunca, em hipótese alguma, estive prepara para viver esse mundo.









terça-feira, novembro 12, 2013


Entendo, perfeita, que a própria vida não se aceita pelo baixo declínio.
Em seu jeitinho mágico e terno, porém abrasador, impulsiona!


_Admira-se em revanches, vida? Pois não, porque estar em pé, é sua própria natureza.


És uma big onda atravessando marés, rumo ao oceano......   

E a vida, me dividiu em três: Aliança da procura em exaustão, até o arco iris!

Não entendo de potes em ouros. Sei bem, minha alma batendo forte sobre o peito;
Uivando feito uma loba nostálgica, porque vai engolir os próximos milênios em luares,
Porque sobreviverá nas linhas quentes dos poemas que são eternos.
Sem nenhuma pretensão de ESTAR fora de si,
Porque o amor, é mais forte que a morte anunciada......um milhão de vezes!


Vera Lyn Poeta

domingo, novembro 10, 2013





....e, esse amor incondicional que me tens,
acolhe-me em seus braços de ternura.
Acaricia incansável, meus cabelos entre dedos. 
Beija minha tez encharcada pelo instante do renascimento.
Suga bolhas d'água latejantes, de tanta fervuras. Oceano que transbordou!
Superação e serenidade: É assim, viver tão somente.

Um primeiro plano pelas aldeias indígenas. Um segundo plano,  pelos caminhos das poesias. 
Viver, é belo. Transpor a vida, é mágico.

__Na “busca de quem somos”, subjaz a 
conservação das tradições como memórias 
vivas de um povo a que pertencemos e, nesse 
sentido, a procura de identidade assenta no 
estabelecimento de laços afetivos com o 
passado, porque “Aqui ao leme sou mais do 
que eu…” Fernando Pessoa – .

Eu, não havia enlouquecido.
O amor, é mais forte que a morte. 
Corredeiras: eu preciso das águas em alto nível de deslocamento.
Vivo, o lado simples e humilde da vida. Casa, recebendo perfumes.
Meu Jesus em Cristo, jamais esteve pregado na cruz.









Não há nada a minha volta, a não ser o que meus olhos fechados, queiram sentir.
Não há nada a minha volta, a não ser aquilo que meu coração em estado letárgico de transpor, queira amar desesperadamente.

Não há nada sobre minhas mãos,...Vejam, minhas mãos estão úmidas e derramando-se em caudaloso rio de alumiares...

Os meus cabelos estão encharcados, e minha face está voltada para o secreto infinito. Claridades multicolores...sei, são anjos!

Estou vivendo, por algum tempo, dentro do paraíso. Toda dor sentida, é um renascimento. É a prova máxima, para se ESTAR pelos jardins tenros das flores vivas.


Vera Lyn Poeta

sábado, novembro 09, 2013



O chão afundou de repente. Estou correndo sem sair do lugar.
Frio e quentura, tremores e ansiedades compulsivas. O estomago quer explodir; 
a boca do estomago vai cuspir.
Minha máscara de alegrias, caiu.
Setenta e duas horas ininterruptas sob forte tensão da felicidade. Achei que fosse morrer consumida pela exagerada emoção.
Tragédia imortalizada em minha alma; um labirinto secreto.
Cansaço e pesadelos noturnos. Se não dorme é zumbi. Se dorme, corre o risco.

Sentimentos de amor e ódio se misturam. Prefiro o ódio, a piedade. Sinto pavor pela piedade.

Rabisquei simultânea, milhões de palavras. Todas amontadas na minha cabeça, dando-se em crias.
O cansaço físico desapropria meu corpo para cansar meu olhos,
meu coração,
meus sentimentos....Isso, dói.
Tremor absoluto e angustia. Falta o ar. Respiração sofrega, suspiros doloridos velhas buscas não sei do quê.

Me transpus ao sabor da ventania. Instante esse que desejaria ser nada. Ser vazia. Ser controlada.

Sei, não há volta. Conheci profundamente o umbral. 
Sofrimento: toda volta é um  sofrimento, nada preenche nada. Realidade e ilusão: dois bichos.



Já é tarde, e estamos cada um, voltando para casa.
Restou o recital em poesias, e a decência de algum milagre....

A lua, dorme agora.







"Vem de repente um anjo triste perto de mim...."











http://velhaaguia.blogspot.com

terça-feira, novembro 05, 2013

Álvaro de Campos... Na ampla sala de jantar das tias velhas

Na ampla sala de jantar das tias velhas
O relógio tictaqueava o tempo mais devagar.
Ah o horror da felicidade que se não conheceu
Por se ter conhecido sem se conhecer,
O horror do que foi porque o que está está aqui.
Chá com torradas na província de outrora
Em quantas cidades me tens sido memória e choro!
Eternamente criança,
Eternamente abandonado,
Desde que o chá e as torradas me faltaram no coração.
Aquece, meu coração!
Aquece ao passado,
Que o presente é só uma rua onde passa quem me esqueceu...

Álvaro de Campos,

segunda-feira, novembro 04, 2013

Janis Joplin, na Calçada da Fama em Hollywood

Laura Joplin, e Michael Joplin, irmãos de Janis Joplin, descobrem a estrela, e celebram com orgulho,  a Rainha do Rock in Blues anos 60, agora na mais cobiçada calçada do mundo ar titístico.

Não sei como funciona no outro lado da vida. Mas acredito que hoje, 04 novembro 2013, juntaram-se todos os máximos dos clássicos, e partiram pra festa.



Janis Joplin

JANIS JOPLIN,

Estreou, hoje, 04 novembro 2013, a Calçada da Fama em Hollywood...!
Sua ESTRELA, com seu nome: JANIS JOPLIN, agora brilha muito mais, para todo o mundo.

Ainda estou sob fortíssima emoção, e muiiiiiiiiiiiiiito feliz!
Foi o tempo, em tempo!
I love you, Janis Joplin.

Vera Lyn Poeta

domingo, novembro 03, 2013

Nostalgia,


Estive sempre, a um passo do meu sonho. Esse passo que ficou no ar, e nunca mais desceu ao chão.
Meus cabelos em caracóis, ávidos olhos. A túnica rosa, e minhas sandálias escarçadas, chegavam antes. 
Pés, tentando alçarem em voo. Coração adolescente, e lotado de planos. Um blues rock ao fundo, pegando sensual aos miolos....Queria ir embora! Poderia sim, estar em minha real casa. Junto as minhas reais companhias; irmãos de alma, que encontro agora, e sei que é um pouco tarde. 


Alvorecer, 
o sol despontando tímido, a praça e o vinho; o batismo com o vinho em nossos corpos de sonhos e liberdades.
Fúria jovem em amor e ternura. Sonhávamos com a paz no mundo. Inocência de quais nasceram com o coração no punho. O mundo de agora, sangra. Os homens estão mais fortes, com suas armas em punho; geração do puro ódio. Pensadores da miséria humana. Amaldiçoados pelo Criador Supero, e eu, já os considero mendigos.

Mais tarde, afogarão suas caras malditas, em sangues derramados por suas inconsciências, quando o sol se por.

O alimento que não faltou à mesa, não supriu minha alma. Necessário seria o alimento, e a fé. Toda alegria, e a alma abastecida em seus reais desejos.

Já é tarde, e estamos cada um, voltando para casa.

Restou o recital em poesias, e a decência de algum milagre....
A lua, dorme agora.


sábado, novembro 02, 2013


Hoje, preciso de algo impossível...
Saindo da sonolência embriagada, a total loucura
sem nenhuma volta a realidade.
Quero o intocável, o impossível e inatingível.
Preciso dos sentimentos, impassíveis e ainda desconhecido.



Incontrolável, inegável sensação de coisas repetitivas!
Mundo, dormido n'algum tempo de outrora. Se tudo que fazemos, ainda, é consertar o mundo: emenda daqui, remenda acolá.
"Olha a fome em subnutrição de pobrezas, aí gente. Tem abandonos sim, o que é que há?".

Rasgo, em morna fúria, véus da mentira...Jogados por instantes em meus olhos de poesia. Nada confirmei, sobre tréguas..

Preciso, acertar contas, com esses olhos que insiste em meditar precipícios.



A gente vai dando as pessoas o que elas precisam. Aquilo, que as alimenta por seus instantes, porque as fazem felizes, e de alguma forma, colabora em suas decisões pelos seus dias. Isso, faz com que não nos sintamos tão sós. É horrível viver sozinho...Precisamos, mantê-las.

Bem, enquanto isso, a gente vai dando andamento nas necessidades da nossa própria vida. Intercalar...a gente insere.... necessidade e o prazer. Muda tudo, já não há como se perder.
Destruir, toda carência afetiva, ainda é a primeira decisão. O incondicional, é supero.

Deus, eu sempre penso e falo com Deus. O restante, é a conquista.


Em fio cortante, teu intenso calor me desperta.
Transpiro muito, e todo sol de primavera, possui minha respiração.
Peito, ardendo. Subindo à urgência.
Prendo-me aos brancos lençóis, e já e mar!
Mar, Amor, e desejos incontidos.
Fios de luz em fogaréu, atravessam meus olhos arregalados.
Estou ardendo, e renascendo em ti. Me dê a sua vida.

O Amor é mais forte que a morte...!


Saltar do corpo físico, seguindo a estrada em ligação sutil com o mundo astral. É assim que meus olhos vê, toda a trajetória que chamamos morte e vida. Uma continuação, que o próprio coração ainda pulsante, exige.
Se toda saudade dói mais que corte de navalha, devo manter todas as luzes acesas.



Vou tocar num sonho bom e vivo; rostos, olhos, bocas ainda falantes, de todos aqueles que amei, e amarei em eterno; além... E, INSISTO EM NÃO MORRER A VIDA...!

Reconheço todos os dias, que o amor é mais forte que a morte. Sei, à alma permanecendo em danças e cantos. Proliferando-se em meio e ao ao entorno dos jardins de tenras flores. Cada pétala sorrindo ao toque. Reagindo, e dizendo que as flores são para festejar -  o dia do renascer. A vida, precisa sim, de descanso.